Lei do motorista: automatize o controle da jornada de motoristas da frota

| Por: redacao.massi

Para saber tudo o que é abordado na lei e entender como cumpri-la corretamente, proporcionando uma jornada de trabalho segura, saudável e de acordo com as recomendações legais aos seus motoristas, continue a leitura!

O que é a lei do motorista

Criada para atualizar a Lei nº 12.619, de 2012, a Lei do Motorista tem como objetivo a definição e controle da jornada de trabalho dos condutores e do tempo de direção do transporte rodoviário de carga ou de passageiros.

Essa lei aborda sete fatores principais:

  1. Jornada diária de trabalho;
  2. Período mínimo de descanso diário;
  3. Tempo máximo em que o motorista pode estar na direção sem descanso;
  4. Intervalo para refeições;
  5. Período de espera entre uma viagem e outra;
  6. Registro e controle da jornada de trabalho;
  7. Exames médicos.

De acordo com a lei, é necessário que toda a jornada de trabalho do motorista seja controlada e registrada em diários de bordo, papeleta, ficha de trabalho de externo, sistemas ou meios eletrônicos instalados no veículo, permitindo que o empregador opte por qualquer um desses meios de registro. 

A opção mais recomendada é o controle de ponto tecnológico, para que não ocorram falhas humanas que prejudiquem os dados coletados.

O que o gestor de frotas precisa saber sobre a lei do motorista

Lei do Motorista regulamenta a prática da profissão de motorista

O gestor de frota tem obrigação de saber tudo o que a Lei do Motorista aborda e as formas de aplicá-la na rotina dos motoristas. Ao obter conhecimento das normas relacionadas à jornada de trabalho, remuneração, segurança e licenciamento dos condutores, o gestor pode garantir que a empresa está cumprindo com as recomendações legais, evitando irregularidades e ações trabalhistas.

Entender tudo o que a lei determina não é um dever tão simples, por isso, é recomendado contar com o auxílio de assessoria jurídica que irá ajudar o gestor a compreender e cumprir com todos os pontos legais determinados na norma.

Há 4 principais regras na lei do motorista e você pode saber mais sobre cada uma delas abaixo.

Jornada de trabalho e limite de horas dirigidas

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em 2023, que são inconstitucionais 11 pontos da Lei dos Caminhoneiros que tratam de jornada de trabalho, pausas para descanso e repouso semanal.

A jornada de trabalho do motorista de caminhão na CLT é de 8 horas diárias com possibilidade de até 4 horas extras. O motorista deverá usufruir do descanso semanal (35 horas) a cada 6 dias, de modo que não será mais possível acumular descansos no retorno à residência.

Além disso, o intervalo deverá ser de 11 horas ininterruptas, dentro de 24 horas de trabalho, sendo proibido o fracionamento e a coincidência do descanso com a parada obrigatória na condução do veículo.

É preciso atentar para os seguintes pontos:

Jornada de trabalho e descanso

A jornada máxima dos motoristas profissionais é de 8 horas diárias, de acordo com a lei. Porém, é permitido a realização de 2 horas extras ou até 4 horas extras por dia, se previsto em convenção.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que são inconstitucionais 11 pontos da Lei dos Caminhoneiros que tratam de jornada de trabalho, pausas para descanso e repouso semanal.

Não há um horário fixo para terminar e começar, porém existem algumas determinações:

É fundamental que o motorista cumpra os horários de descanso e parada corretamente, a fim de prevenir acidentes causados por sono ou falta de descanso adequado. 

Tempo de direção

Essa cláusula corresponde ao tempo em que o condutor está efetivamente dirigindo o veículo. Seja no transporte rodoviário de carga ou de passageiros, não é permitido um período contínuo de direção que seja acima de 5 horas e 30 minutos.

Tempo de descanso

O STF vetou o aval para dividir o período de descanso dos motoristas, bem como a coincidência do descanso com a parada obrigatória na condução do veículo. O intervalo deverá ser de 11 horas seguidas dentro das 24 horas de trabalho.

Além disso, o motorista não pode mais dividir o período de descanso, com mínimo de oito horas seguidas. O descanso, dentro do período de 24 horas, deve ser de no mínimo 11 horas.

Outro ponto que sofreu alteração diz respeito ao repouso em viagens longas. Nas viagens com duração superior a sete dias, o repouso semanal será de 24 horas por semana ou fração trabalhada, sem prejuízo ao repouso diário de 11 horas, somando 35 horas de descanso. Foi inválido o trecho da lei que permitia ao motorista usufruir esse período de repouso no retorno à empresa ou à residência.

Tempo de espera

“Tempo de espera” diz respeito às horas em que o motorista fica aguardando carga ou descarga do veículo ou o período gasto com a fiscalização da mercadoria e, agora, passam a ser computadas como jornada de trabalho ou como horas extraordinárias. 

A lei previa que as horas do tempo de espera deveriam ser pagas na proporção de 30% do salário-hora. Agora, passa a entrar na contagem da jornada de trabalho e das horas extras.

A criação da Lei 13.103

Em 2012, ficou conhecida como “Lei do descanso” ou “Lei dos caminhoneiros”, a Lei n. 12.619/12, publicada no DOU de 02/05/12, que estabelecia regras de segurança para o exercício da profissão de motorista, as quais geraram diversas críticas do setor, ocasionando um esforço legislativo para modificá-las em diversos aspectos. 

Em meio a protestos, que cobravam políticas públicas favoráveis ao transporte de carga, o Poder Executivo federal aprovou, no início do mês de março de 2015, o Projeto de Lei que pretendia modificar as normas em vigor desde 2012, resultando na Lei 13.103, publicada no DOU de 03/03/15.

A lei passou por uma nova atualização em 2023. O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucionais 11 pontos da Lei dos Caminhoneiros (Lei 13.103/2015), referentes à jornada de trabalho, pausas para descanso e repouso semanal. Na mesma decisão, outros pontos da lei foram validados, como a exigência de exame toxicológico de motoristas profissionais.

Viagem em dupla/reserva

No caso de transporte de passageiros com dois motoristas, como ônibus, não é mais permitido o descanso de um dos profissionais com o veículo em movimento, assegurado após 72 horas o repouso em alojamento externo ou em poltrona leito com o veículo estacionado.

Como fazer o registro da jornada do motorista?

O registro de jornada do motorista pode ser de três formas diferentes: registro em papel, teclado embarcado ou aplicativo de controle de jornada do motorista.

  1. Registro em papel: é uma ficha que deve ser preenchida manualmente pelo motorista todos os dias;
  2. Teclado embarcado: é um sistema de teclado onde o motorista digita o código de cada operação que está sendo realizada e, posteriormente, a jornada é registrada em um sistema no final do dia;
  3. Aplicativo de controle da jornada do motorista: é um aplicativo onde as ações realizadas durante o dia são sinalizadas pelo motorista e, assim, um relatório é gerado e fica registrado no fim do dia.

Seja qual for o formato, o registro de jornada é indispensável para que o gestor de frotas possa confirmar que o motorista estava cumprindo com suas atividades conforme as leis.

Como automatizar o controle da jornada de motoristas da frota?

A automatização do controle de jornada dos motoristas permite o acompanhamento do tempo de direção dos condutores, através de uma tecnologia que emite alertas sonoros e visuais em tempo real na cabine, evitando o descumprimento da Lei do Motorista.

Para automatizar essa ação, conte com a solução oferecida pela Trimble para o controle de jornada. Além do ganho de eficiência no gerenciamento do período de trabalho dos motoristas, a ferramenta também proporciona apontamentos eletrônicos com informações incontestáveis, dados completos para fiscalizações rodoviárias e integração com sistemas de RH, junto do atendimento total à lei do Motorista.

Acesse abaixo o material gratuito disponível pela Trimble e saiba como realizar um controle efetivo de jornada dos motoristas.

Motorista de caminhão no volante com cinto de segurança

E-book: Controle de Jornada dos Motoristas

Neste E-book, apresentaremos o que a Lei 13.103/15 regulamenta e como fazer um controle de jornada adequado de seus motoristas.

    Cargo na empresa
    Tamanho da frota
    Segmento de atuação

    Conclusão

    Uma das tarefas essenciais do gestor de frotas é assegurar o cumprimento das leis dentro da empresa e garantir que as atividades estão sendo realizadas em concordância com o que a Lei do Motorista propõe.

    Entre as sentenças que a lei determina, uma das principais é o controle da jornada do motorista. Para realizá-lo de forma segura, verídica e livre de falhas humanas, é fundamental contar com o auxílio da tecnologia. A Trimble apresenta a solução certa e com adequação total à Lei do Motorista, que é o Controle de Jornada.

    Para conhecer todas as funcionalidades e vantagens desta solução, entre em contato e agende uma demonstração com nosso time comercial. 

    Tags

    Autor

    redacao.massi

    redacao.massi

    Uma mão digitando em um laptop Uma mão digitando em um laptop Uma mão digitando em um laptop

    Assine nossa newsletter

    Fique sempre por dentro das novidades nas inovações da gestão do transporte.

      Deixe seu comentário

      Comentários