Frota própria ou terceirizada: qual a melhor opção para minha empresa?

| Por: Ana Paula Delchiaro

Independentemente do segmento de atuação da empresa, em algum momento ela irá se deparar com um problema muito comum de logística: frota própria ou terceirizada? Seja na gestão da frota de veículos que fazem o escoamento da produção ou dos daqueles utilizados pela equipe de serviços, essa questão deverá ser analisada com cuidado e discutida na empresa.

Frota própria ou terceirizada?

Mas afinal, é melhor trabalhar com frota própria ou terceirizada?

Em muitos casos, esse é um assunto controverso, pois cada tipo de frota tem suas vantagens e desvantagens. Nesse post levantamos alguns pontos importantes, características e dicas para ajudá-lo nesta importante decisão.

Frota Própria: características, vantagens e custos

A frota própria possui algumas características que acabam se tornando uma opção interessante para certas empresas, principalmente porque oferecem maior controle da operação. Conheça algumas características:

Empresas com produtos de alto valor agregado geralmente optam pela frota própria para garantir um padrão de qualidade adequado ao seu produto. As transportadoras e operadores logísticos, em muitos casos, não possuem mão de obra especializada para manuseio de certas cargas e, neste caso, a frota própria se torna a melhor opção.

Em geral, os fatores que fazem uma empresa optar pela frota própria são:

  1. confiabilidade do serviço;
  2. tempos menores de ciclo dos pedidos;
  3. capacidade de reação a emergências; e
  4. melhoria do contato com o cliente.

Ao optar pela frota própria, além do investimento para aquisição dos veículos, alguns outros custos devem ser levados em consideração e analisados pelo gerente de logística. São eles:

Frota terceirizada

A terceirização da frota se mostra a solução mais viável para algumas empresas, principalmente por melhorar o fluxo de caixa. Essa melhoria se dá ao cortar custos de investimentos com aquisição e manutenção de veículos e mão de obra, por exemplo. As principais características da terceirização são:

Vantagens como essas possibilitam ao gestor de frotas um foco maior nas atividades estratégicas, ao invés de ter que lidar com o gerenciamento de veículos e motoristas, por exemplo.

Em contrapartida, o gestor perde muito de sua autonomia na tomada de decisões e no controle da equipe, tornando-se dependente da empresa terceirizada. Outro ponto a ser levado em conta é o processo de negociações de contratos de fretes, que pode ser cansativo e demorado e, muitas vezes, não supre totalmente as necessidades da empresa.

Uma solução para esse problema é trabalhar de forma segmentada com frota própria para atender alguns grupos de clientes ou rotas e frota terceira para reduzir custos de outras.

Preparamos um post com dicas na hora da contratação de transportadoras terceirizadas, confira!

Então, qual a melhor opção?

frota própria ou terceirizada

Como vimos, tanto a frota própria quanto a terceirizada tem seus prós e seus contras, Não se pode dizer que uma é pior ou melhor que a outra, pois isso depende muito do tipo de operação de cada empresa.

Por não fazer parte do core business de algumas empresas, a terceirização do transporte é geralmente a primeira opção. Porém, o gerenciamento dos fornecedores é de fundamental importância nesses casos. O gestor precisa estar atento ao nível de serviço prestado, pontualidade de entregas e manuseio de cargas para não prejudicar a imagem da empresa.

Em alguns casos, as empresas terceirizam o serviço de transporte, mas continuam a ter informações da operação por meio de sistemas de monitoramento, roteirização e rastreamento dos veículos, por exemplo. É uma forma de manter a operação sob controle de qualidade e segurança.

Uma análise detalhada dos custos de transporte irá possibilitar saber se é mais vantajoso investir em frota própria ou terceirizada. Clique aqui e baixe o Guia de como controlar custos relacionados à gestão de frotas.

Agora, gostaríamos de saber de você: a sua empresa trabalha com frota própria ou terceirizada? Como foi o processo dessa tomada de decisões e quais pontos foram levados em consideração? Não deixe de compartilhar suas experiências conosco e participar da conversa!

Última atualização: 27 de abril de 2020, por Caroline Ferroni.

Autor

Ana Paula Delchiaro

Ana Paula Delchiaro

Assine nossa newsletter

Fique sempre por dentro das novidades nas inovações da gestão do transporte.

    Deixe seu comentário

    Comentários