O que (realmente) causa os tombamentos em operações off road?

| Por: Giovana Kai

Conteúdo em parceria com Camila Amaral – Consultora de Negócios especialista no segmento Off Road

Para alguns gestores de frota, a explicação dos tombamentos em operações off road está nos erros operacionais. As justificativas mais comuns para este tipo de incidente geralmente são problemas com o trecho, mal armazenamento de cargas ou algum erro ao longo do processo.

off-road
Na imgem: Operação Off Road no campo.

Estas podem ser causas reais para tombamentos off road, mas não são as únicas. Ao responsabilizar exclusivamente o processo operacional, gestores deixam de olhar para um fator fundamental da frota: o motorista

Falta de atenção no Off road:

Seres humanos são suscetíveis a fatores fisiológicos, psicológicos e emocionais. E estes fatores impactam diretamente no desempenho, principalmente quando o trabalho depende de foco, como é o caso dos motoristas.

Dessa forma, a falta de atenção torna-se uma causa recorrente – cerca de 72% das vezes – dos tombamentos e outros tipos de acidentes de trânsito.

Por falta de atenção, consideramos todos os comportamentos que tiram o foco do motorista da via, como por exemplo a distração, o uso de celular, o consumo de alimentos, bebidas e cigarro, e fazer anotações em papeletas enquanto dirige.

Na imgem: Pessoa utilizando o celular

Todos estes exemplos citados podem tirar a atenção do motorista por 2 segundos ou mais. E você sabe o impacto de dirigir por este período de tempo sem ter o foco no que está à frente?

Neste curto período, mesmo a 20 km/h,  o tempo de resposta do motorista no caso de uma emergência pode não ser rápido o suficiente. Levando em conta as operações off road, uma curva ou desnível podem ser pontos críticos para tombamentos, caso o motorista não pratique uma direção preventiva.

Comportamento imprudente

Outro fator preocupante é a imprudência, que diferente do que algumas pessoas pensam, não está exclusivamente relacionada a altas velocidades, frenagens bruscas e direção ofensiva. Imprudência é toda ação realizada de forma proposital e que oferece risco, seja para o motorista ou para terceiros. Vamos a um exemplo:

Em qual dia da semana e horário você diria que acontecem a maioria dos casos de sonolência ao volante?

O senso comum responderia “às segundas-feiras pela manhã”. No entanto, de acordo com a base de dados reunida pela Veltec a partir dos casos de sonolência e sono, detectados pelo sensor de fadiga, constatamos que “às quintas-feiras pela manhã” é a resposta certa. E a razão disso é uma questão de escolha e comportamento. 

Analisando os casos, constatamos que grande parte dos motoristas que apresentaram sonolência em uma quinta-feira de manhã são pessoas que têm o costume de assistir aos jogos de futebol às quartas-feiras à noite.

Isso faz com que estes profissionais vão dormir mais tarde e tenham menos tempo de descanso. Somado a este fator, o consumo de alimentos pesados e álcool prejudicam ainda mais o período de repouso antes da jornada de trabalho.

Fadiga X Ação imediata

Sabemos que o sono é uma necessidade fisiológica, assim como comer, tomar água e ir ao banheiro. Ou seja, não é algo que pode ser controlado.

O ideal nestes casos é evitar que o motorista chegue ao ponto máximo do cansaço enquanto trabalha. E caso aconteça mesmo assim, tratar da maneira adequada o quanto antes.

Na imagem: Pessoa dirigindo com fadiga

No caso de um evento de fadiga, o sensor alertará tanto o motorista quanto o operador do sistema em um CCO. Quando este operador identifica o sono ou sonolência, é necessário uma ação rápida.

Existem casos em que motoristas apresentam sinais de cansaço por 4 horas antes de acontecer um acidente. Em outros casos este período pode ser mais curto. Então, por que não tratar ao primeiro sinal de fadiga e evitar consequências irreversíveis?

Como evitar os tombamentos na frota off road?

Acompanhamento pessoal com o motorista: antes de tudo é necessário entender porque motoristas estão apresentando distração e sonolência. Compreender suas rotinas, seus cronotipos ideais e o estado de saúde que apresentam pode ser o primeiro passo. 

Ajustes na jornada de trabalho: outro aspecto a ser analisado é se os motoristas têm o trabalho em sua frota como atividade principal ou se utilizam seus momentos de descanso em outras atividades que impedem a recuperação total antes de uma nova jornada. Trata-se de um caso frequente, visto que estes profissionais podem precisar de uma segunda fonte de renda para se manter.

Treinamentos para situações de risco: por mais experiente que o motorista seja, ele ainda não passou por todas as situações de risco. Desta forma, aplicar treinamentos que envolvem teoria integrada com prática simulada com uso de simuladores de direção, capacita e amplia as habilidades dos colaboradores na retenção do conteúdo. Além disso, insere este profissional em vários cenários de risco em ambiente seguro e controlado.

Gestão em tempo real: e por último, realizar o acompanhamento integral da jornada para gerenciar alertas e agir em tempo real sempre que os motoristas apresentarem sinais de sonolência ou apresentarem comportamentos que podem trazer riscos. 

Analisando estes pontos abordados, é possível agir preventivamente sobre casos de distração, fadiga e até imprudência – e evitar tombamentos e outros acidentes na operação.

Conheça como o sensor de fadiga funciona – Solução que alerta o motorista e a central em tempo real sobre: fadiga, distração, uso de celular, fumo, distância perigosa e conversões sem sinalização. Clique aqui.

Se você quer compreender quais são as outras ações que podem ser aplicadas em sua operação para reduzir o número de tombamentos e outros acidentes, basta preencher o formulário abaixo e nós entraremos em contato para uma conversa:

Autor

Giovana Kai

Giovana Kai

Uma mão digitando em um laptop Uma mão digitando em um laptop Uma mão digitando em um laptop

Assine nossa newsletter

Fique sempre por dentro das novidades nas inovações da gestão do transporte.

    Deixe seu comentário